Hotelaria de São Paulo prevê agravamento e mais demissões

Medidas restritivas agravam a crise na rede hoteleira de São Paulo, promovendo mais demissões


Por Encontreii em 20/04/2021 às 20:34 hs

Hotelaria de São Paulo prevê agravamento e mais demissões
São Paulo e a crise hoteleira

Medidas restritivas agravam a crise na rede hoteleira de São Paulo, promovendo mais demissões

Por Paulo Atzingen do Diário do Turismo

Em entrevista a diretoria da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de São Paulo (ABIH-SP) demonstrou a enorme preocupação diante da crise causada pela Covid-19 – em 2020 -, mas em especial ao impacto da segunda onda agora em 2021 que refletirá diretamente na demissão de mais funcionários.

A entrevista online ocorreu em um momento em que se espera a prorrogação da MP 936 por mais quatro meses. Assim como no ano passado, a empresa hoteleira que aderir ao programa terá que garantir ao trabalhador uma estabilidade pelo mesmo período de tempo que se beneficiou do auxílio do governo. Segundo a diretoria da ABIH a situação está insustentável e novas demissões devem ocorrer.

Os primeiros meses de 2021 davam mostras de que a situação melhoraria, no entanto, isso não ocorreu nos 12 polos do Estado (MRT), com exceção de três regiões.

De acordo com dados apresentados pelo Conselheiro Fiscal da entidade, Roberto Gracioso, a  taxa de ocupação acumulada do estado em fevereiro deste ano ficou em 31,53%, com variação de -0,63% em relação a janeiro/21 e -42,52% em relação a Feveiro/20 – mesmo período do exercício anterior.

Para o presidente da ABIH-SP, Ricardo Roman, o impacto maior – tanto nos índices de ocupação como de receita – se deu por conta das políticas para contenção da Pandemia, fato que levou a várias regiões a sofrerem com restrições. “A não realização do carnaval acabou por impactar negativamente as regiões do estado de São Paulo com apelo turístico, que contam fevereiro como mês de alta. Já as regiões corporativas historicamente apresentam queda neste período da ano, porém as restrições sanitárias potencializaram esta retração”, enumerou.

Para Roman, é vital que a Medida Provisória 936 seja editada. “Embora os acordos com os sindicatos sejam regionais e cada região do Estado de São Paulo tenha seu próprio acordo (com os colaboradores) estes acordos são suspensos à medida que as empresas (hoteleiras) adotem a MP. Cada região tem seu acordo”, diz Roman ao DT. E acrescenta: “A hotelaria não tem mais caixa para (pagar) abril que deverá pagar em maio”, avisa.

Onda mais pesada

A hoteleira Niuara Tedesco, membro do Conselho Fiscal da Abih-SP e proprietária de um estabelecimento hoteleiro em São Sebastião reforçou as palavras de Ricardo Roman: “Já fizemos nossas reduções de pessoal e ajustamos salários. Não temos mais caixa. A onda de demissão vai vir mais pesada do que a do ano passado”, adiantou na entrevista.

Roberto Gracioso lembrou que os dados de março/21 ainda não estão sedimentados, no entanto as notícias não são boas: “O mês de março agora, será talvez o pior mês histórico da nossa pesquisa. Com base nas respostas ele se assemelha ao mês de julho do ano passado, um dos piores da história”, compara. Segundo tabela apresentada, em julho do ano passado 65,41% dos hotéis paulistas estavam com suas atividades suspensas (fechados) – considerando os 142.334 Uhs de oferta total e 79.664 Uhs (49,58%)  dos municípios que responderam à pesquisa, cerca de 103 cidades. Conforme estudo, o mês de julho de 2020 teve uma taxa de 12,2% de ocupação, ou seja, muito baixa; já a partir de dezembro houve uma tendência de melhora.

Desligamento de colaboradores

Ricardo Roman acrescenta que o índice de desligamento de funcionários de julho de 2020 para março de 2021 ficou em torno de 50%, considerando que cada Unidade de Habitação corresponda a 0,5 funcionário. “Cada 100 apartamentos correspondem a 50 funcionários” cifrou a equação em que se divide o número de funcionários pelo número de apartamentos para dimensionar a mão de obra.

Considerando os 142 mil apartamentos de oferta no estado, já foram desligados aproximadamente 70 mil colaboradores desde julho do ano passado.


*A pesquisa apresentada pela ABIH-SP tem Gláucia Sangiovanni Paiva como gerente operacional e captação de dados e Roberto Gracioso na coordenação e responsável pelo desenvolvimento do estudo.

 

Compartilhe


Deixe seu Comentário


 topo

Seja visto por centenas de pessoas diariamente

Cadastre-se agora mesmo em nosso guia comercial, conheça agora mesmo nossos planos !